Artigos Sobre Filtração

Filtro no Lago

Filtro no Lago

 

Filtro no Lago é uma das partes mais importantes de todo lago, seja um viveiro de peixes ou um lago de jardim simples. Esses dispositivos vêm em várias configurações, níveis de preço e complexidade. Dependendo do projeto do lago, a questão da circulação é muito importante, pois em alguns casos (lagos sinuosos) ela é essencial e implica até mesmo no sucesso do projeto.

Estes dispositivos podem ser instalados em diferentes posições dentro ou fora do lago, dependendo do tipo escolhido, e cada um tem suas próprias vantagens e desvantagens, ou as vezes não se tem escolha pois o lago já esta pronto e tem que se dar uma solução (Mod – FKL 20), alguns tipos podem trabalhar com a bomba dentro do próprio filtro (Mod.- FKL 100), neste caso a água entra por gravidade (Skimmer) para dentro do filtro, o que, segundo alguns especialistas, é o melhor método para instalação de filtro, este método é o que mantem a superfície do lago limpa livre de pó, folhas, pólen, algas mortas, etc. Mas isso pode mudar dependendo da profundidade, pois em lagos muito profundos é necessária também a sucção pelo fundo, por isso antes de se pensar no filtro é necessário um lago bem projetado considerando a circulação e captação.

Hoje a maioria dos equipamentos para filtragem no mercado nacional (seja importado ou não), utiliza um método simples para filtragem física. Em que os materiais variam entre matala, manta de poliéster e espuma filtral,  que funciona com a água passando entre o material da mídia e os dejetos vão impregnando até saturar, com a saturação da mídia vem a substituição. Em seguida a lavagem manual ou retro lavagem, que lava superficialmente, mas com estas bombas de baixo consumo que são de vazão e não de pressão usadas nos lagos é impossível uma lavagem eficiente por entre os fios na matala e nos poros das segundas e terceiras espumas, isso os tornam filtros oclusivos (que se fecham totalmente), não se pode dizer que não funcionam pois dependendo do volume do lago eles funcionam muito bem.

Quando se trata de lagos de maior volume e/ou maior população de peixes a concepção de filtro é muito diferente. O que se tem que deixar bem claro é que dependendo do tipo de peixe que se pretende colocar no lago a capacidade do filtro muda totalmente, por exemplo:. Entre Carpas e Kinguios, sendo os dois aproximadamente equivalentes no tamanho, as Carpas precisam de 50% a mais de mídias biológicas (conversores biológicos).

As carpas excretam amônia diretamente pelas suas brânquias como parte dos seus resíduos nitrogenados (subprodutos do metabolismo). Além da urina e excreções, outros resíduos potencialmente tóxicos também estão presentes na água como resto de comida. Fragmentos de vegetal em decomposição, folhas, raízes , aparas e relvas, pólen, fungos, e também podem estar em uma variedade de matérias como:. Insetos mortos. Excrementos de pássaros dentre muitas outras situações, qualquer coisa orgânica que cai no seu lago seja animal ou vegetal se afundar. E vai se decompor e produzir amônia que é muito tóxico e fatal para os peixes (as folhas que caem nos lagos normalmente flutuam de 15hs a 24hs. Logo este é o tempo de serem retiradas antes que afundem), alem disso podem entupir o pré-filtro da bomba diminuindo a sucção, como prevenção pode-se usar um protetor de bomba.

Pensando assim os peixes nadam em meio ao seu banheiro e lixo, por isso que os filtros tem a função de uma unidade de tratamento de esgoto para seu lago. E isso é feito na parte de tratamento biológico do filtro, essa parte tem que ser versátil pois caso você queira colocar mais peixes no seu lago ela precisa ser capaz de receber mais mídias biológicas. Ou soluções como as Pedras Biológicas, pois caso sejam introduzidos mais peixes a quantidade de esgoto vai aumentar e se o filtro não for capaz de metabolizar esta maior demanda você terá problemas com a amônia e com o nitrito que, são fatais para os peixes.

Filtro no Lago

Deixe um comentário